loading...

CINCO NOVAS DELEGACIAS DE POLÍCIA CIVIL FORAM INAUGURADAS NA CAPITAL E NO INTERIOR DO MARANHÃO


Desde do último mês de julho até outubro do corrente ano, a Secretaria de Segurança Pública e a Delegacia Geral de Polícia Civil do Maranhão entregaram cinco novas delegacias de polícia em todo o Estado. Foram investidos, na reforma e estruturação do imóvel para as novas delegacias que vão poder oferecer melhores condições estruturais para os servidores e para a população.

Facebook testa recurso para desfazer envio de mensagens no Messenger



O Facebook iniciou recentemente testes com um recurso que permite que os usuários cancelem o envio de uma mensagem no Messenger, segundo o site especializado TechCrunch.
Conforme a reportagem, a informação foi publicada no Twitter pela pesquisadora Jane Manchun Wong, conhecida por revelar novidades do mercado de tecnologia, que postou inclusive imagens do suposto protótipo do recurso.
De acordo com Jane, a ferramenta só poderia ser usada após um determinado período de tempo, como acontece com um recurso similar disponível no Gmail, do Google – após 30 segundos do envio, por exemplo.
Vale lembrar que o próprio TechCrunch já tinha publicado em abril que o Facebook estava trabalhando em uma funcionalidade desse tipo – a confirmação aconteceu após a descoberta de que o CEO Mark Zuckerberg já estaria usando a ferramenta.
“O Facebook testa produtos e recursos internamente antes de liberá-los ao público para que possamos garantir a qualidade da experiência”, afirmou um porta-voz da rede social, procurado pela reportagem do TechCrunch sobre o assunto.

Banqueiro português João Rendeiro condenado a cinco anos de prisão tem pena suspensa



Já o ex-administrador do BPP Paulo Guichard foi condenado a quatro anos e três meses com pena suspensa na sua execução se pagar 25 mil euros à associação Os anjos, também por falsificação de documentos e falsidade informática.
O colapso do BPP, banco vocacionado para a gestão de fortunas, verificou-se em 2010, já depois do caso BPN e antecedendo outros escândalos na banca portuguesa.
O BPP originou ainda outros processos judiciais, um por suspeitas de burla qualificada e outro relacionado com multas aplicadas pelas autoridades de supervisão bancárias.
Portugal Digital com Lusa

Bactérias da Antártica produzem substâncias anticancerígenas

ANTARTICA
Bactérias que vivem no entorno das raízes de uma gramínea que só ocorre na Antártica apresentaram ação anticancerígena. Essa ação foi comprovada no trabalho de doutorado do biólogo Leonardo José da Silva, orientado pelo pesquisador da Embrapa Meio Ambiente (SP) Itamar Soares de Melo. Em sua tese, defendida em agosto na Universidade de São Paulo (USP), Silva estudou a planta Deschampsia antarctica, da qual extraiu os micro-organismos que vivem em sua rizosfera (região das raízes).

Cientistas selecionaram um grupo de bactérias associadas a essa gramínea, as actinobactérias, reconhecido por produzir uma gama de substâncias bioativas e com comprovado potencial para gerar produtos antitumorais. Desse material, Silva identificou e caracterizou os compostos responsáveis pela atividade antitumoral e avaliou a identidade taxonômica (classificação) de algumas linhagens para descrição de possíveis novas espécies de actinobactérias.

A dificuldade de falar sobre a morte

Uma pesquisa encomendada pelo Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep) e realizada pelo Studio Ideias mostrou que 68% dos brasileiros têm dificuldades para lidar com a morte.
Para a professora Maria Julia Kovács, do Instituto de Psicologia da USP, que coordena o Laboratório de Estudos sobre a Morte e estuda o assunto há mais de 30 anos, o tabu da morte sempre existiu e sempre vai existir. “O tabu muitas vezes se configura como dificuldade de falar sobre o assunto, de encarar a própria finitude”, explica. A professora também fala na necessidade de se tratar do assunto já com as crianças, para que cresçam aptas a lidar com o tema.
Outro problema decorrente da negação em falar sobre a morte é que as pessoas também não sabem ouvir sobre ela. Maria Julia alerta para essa necessidade como forma de ajudar alguém que possa estar passando por um processo de doença terminal ou até mesmo de luto por outra pessoa. “A dificuldade de ouvir, muitas vezes, é porque as pessoas acham que vão ter que falar alguma coisa. Mais importante do que falar é escutar o que a pessoa tem a dizer.”

Vídeo educativo informa à população sobre sífilis

Foto: Ricardo Almeida / ANPr via Fotos Públicas
.
Os casos de infecção por sífilis no Brasil aumentaram mais de 5.000% entre 2010 e 2015, e passaram de 1.249 para 65.878, segundo o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde. Para informar à população sobre as formas de prevenção, diagnóstico e tratamento, pesquisadores da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP produziram um vídeo educativo.
“O principal objetivo foi oferecer à população um material educativo atualizado e com base nas recomendações científicas para auxiliar na compreensão desse problema de saúde e das práticas seguras”, afirma Policardo Gonçalves da Silva. O material é resultado da pesquisa de mestrado de sua autoria, Assistência de enfermagem para prevenção e manejo da sífilis: validação de material educativo, realizado sob orientação da professora Soraia Assad Nasbine Rabeh, da EERP.

DIABÉTICO TEM DEDOS AMPUTADOS EM ACIDENTE DE TRABALHO E JUSTIÇA NEGA INDENIZAÇÃO

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho afastou a responsabilidade da Rios Unidos Logística e Transporte de Aço Ltda., de Guarulhos (SP), de indenizar um motorista que alegava que seu quadro de diabetes teria sido agravado em razão do trabalho. Segundo os ministros, não houve conduta negligente da empresa para justificar a condenação.
Amputação
O empregado afirmou na reclamação trabalhista que sofreu ferimentos no pé direito devido ao atrito com o minério de ferro dolomita, que teria entrado no seu calçado quando carregava o caminhão. Em decorrência da diabetes, disse que teve problemas de cicatrização e que a empresa, mesmo constatando o problema, teria exigido que continuasse a trabalhar. Isso teria agravado a lesão e gerado processo infeccioso que, mais tarde, resultaria na amputação das falanges de dois dedos do seu pé direito.
Atrito
O juízo da 1ª Vara do Trabalho de Guarulhos julgou improcedente os pedidos de indenização por dano moral e material e de reintegração ao emprego. Segundo a sentença, a perda dos dedos do pé resultaram da própria condição de saúde do empregado, não do acidente narrado por ele.
“Quem lê a inicial tem a impressão de que o empregado, quando estava enlonando o caminhão, teria cortado o pé em uma lasca pontiaguda de dolomita”, observou o juízo. “Mas, em seu depoimento, ele esclarece que a tal dolomita estava em pó, que era quase como uma areia. O problema ocorreu porque tal pó entrou pelo sapato, e o atrito entre o pó e o interior do sapato acabou arranhando-o”.
O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região manteve a sentença.
Responsabilidade
No exame do recurso de revista do motorista, o relator, ministro Cláudio Brandão, assinalou que o atrito com a pedra só gerou danos ao empregado devido à diabetes, uma vez que a infecção e a amputação dos dedos foram desdobramentos da doença. Todavia, afastou a tese do empregado de que o reconhecimento do dano e do nexo de concausalidade seria suficiente para responsabilizar o empregador. “Isso só aconteceria caso constatada conduta ao menos negligente por parte da empresa”, ressaltou.
O ministro observou que foram fornecidos todos os equipamentos de proteção necessários, como perneiras e sapatos com biqueira de aço, e que houve treinamento e fiscalização da efetiva utilização. “A lesão apenas ocorreu em razão de o empregado ter diabetes, o que, apesar de não descaracterizar o acidente de trabalho, afasta a responsabilidade do empregador pela reparação pretendida”, concluiu.
Por unanimidade, a Turma deu provimento parcial ao recurso apenas para reconhecer o direito do motorista à estabilidade acidentária, determinando o pagamento dos salários e das demais parcelas relativas ao período.
Fonte: Tribunal Superior do Trabalho